Economia

Indicadores e notícias sobre a economia no Brasil e no mundo. Dados para posicionamento de empresários e dicas para gerir suas finanças pessoais.

  1. São dois editais com 142 vagas. Pelo menos 142 vagas são oferecidas em deis editais de concursos e seleções publicados na Paraíba nesta semana de 20 a 27 de outubro. Concursos e seleções na Paraíba têm 977 vagas Divulgação/Agência Brasil Seleção da Prefeitura de Riacho dos Cavalos Vagas: 65 Níveis: fundamental, médio e superior Salários: R$ 998 a R$ 13,3 mil Prazo de inscrição: até este domingo (20) - prorrogadas Local de inscrição: site da organizadora, Ápice Consultoria Taxas de inscrição: R$ 60 (fundamental), R$ 70 (médio/técnico) e R$ 80 (superior) Provas: 26 de novembro Edital da seleção da Prefeitura de Riacho dos Cavalos Concurso da Prefeitura de Serraria Vagas: 77 Níveis: fundamental, médio e superior Salários: R$ 998 a R$ 3.339 Prazo de inscrição: até 31 de outubro Local de inscrição: site da organizadora, Contemax Consultoria Taxas de inscrição: R$ 40 (fundamental), R$ 45 (médio e técnico) e R$ 50 (superior) Provas: 8 de dezembro Edital do concurso da Prefeitura de Serraria

  2. Horário de verão brasileiro deveria acontecer entre este sábado (19) e domingo (20), mas foi revogado por Bolsonaro em abril. Smartphones marcam horários diferentes no início deste domingo. Alguns adiantaram porque, tradicionalmente, nesta data, começa o horário de verão, que foi revogado neste ano G1 Apesar de ter sido revogado por Jair Bolsonaro, o horário de verão – ou a falta dele – agitou as redes sociais na madrugada deste domingo (20). No Twitter, centenas de usuários relataram que os celulares adiantaram automaticamente em 1 hora e questionaram o horário certo. O problema já era previsto. Na última sexta-feira, o Google havia publicado um anúncio oficial em seu blog recomendando que usuários de Android no Brasil alterassem as configurações automáticas de data e hora; saiba como fazer isso. O SindiTelebrasil, que representa as operadoras de telefonia, informou que “as empresas realizaram testes na rede e não foram identificados problemas na alteração de horário". "Vale ressaltar que há alterações que não ocorrem na rede das operadoras, e sim em aplicativos externos instalados nos aparelhos." Na sexta-feira, a entidade havia informado que as operadoras "desprogramaram a alteração do horário de verão em suas plataformas, de acordo com o novo decreto presidencial". Saiba corrigir Nos aparelhos Android Toque no ícone "Configurar"; Toque na opção "Data e hora"; Desmarque a opção "Data e hora automáticas" Configure manualmente a hora correta No iPhone Acesse a tela principal e toque na opção "Ajustes" Toque na opção "Geral" Toque na opção "Data e Hora" Desabilite a opção de configuração do relógio "Automaticamente" Configure manualmente o horário correto Initial plugin text Em 2018, já houve relatos sobre smartphones que entraram no horário de verão, no caso, antes da data oficial de início. Isso porque, no ano passado, a mudança foi adiada de outubro para novembro. Por isso, na última sexta, o Google também alertou que o problema pode acontecer no próximo dia 3, quando começou o horário de verão em 2018. Para evitar, basta desabilitar a configuração automática. Initial plugin text Initial plugin text fetividade do horário de verão O objetivo por trás da origem do horário de verão é aproveitar os dias mais longos para obter um melhor aproveitamento da iluminação natural, poupando recursos da matriz energética e reduzindo os riscos de apagões, principalmente no horário entre 18h e 21h, quando as lâmpadas dos espaços públicos são ligadas, boa parte da população chega em casa e parte do comércio, escritórios e indústria continua ativa. Mas, nos últimos anos, mudou o padrão de consumo do país. Lâmpadas incandescentes foram substituídas por lâmpadas mais eficientes, e o horário de pico de energia se deslocou do início da noite para o meio da tarde, por volta das 15h, devido ao aumento expressivo do uso de ar-condicionado. Estudo do Ministério de Minas e Energia divulgado no ano passado já apontava para a perda de efetividade do horário de verão. Segundo a nota técnica, a adoção de outros instrumentos regulatórios, como a tarifa branca e preço por horário, pode produzir resultados mais relevantes para o setor elétrico. De acordo com o porta-voz da Presidência da República, Otávio Rêgo Barros, o governo fez uma pesquisa que mostrou que 53% dos entrevistados pediram o fim do horário de verão. Não foram divulgados, entretanto, detalhes da pesquisa. Horário de verão No Brasil, o horário de verão foi instituído pela primeira vez no verão de 1931/1932, pelo então presidente Getúlio Vargas. Sua versão de estreia durou quase seis meses, vigorando de 3 de outubro de 1931 a 31 de março de 1932. No verão seguinte, a medida foi novamente adotada, mas, depois, começou a ser em períodos não consecutivos. Primeiro, entre 1949 e 1953, depois, de 1963 a 1968, voltando em 1985 até abril de 2019, quando foi revogado por decreto. O período de vigência do horário de verão era variável, mas, em média, durava 120 dias. No mundo, o horário diferenciado é adotado em 70 países — e atinge cerca de um quarto da população mundial. O horário de verão é adotado em países como Canadá, Austrália, México, Nova Zelândia, Chile, Paraguai e Uruguai.

  3. Evento faz parte da Festa da Transumância, em defesa dos antigos direitos de pastoreio e migração ameaçados pela expansão urbana. O desfile partiu da Casa de Campo, o maior parque de Madri, que já foi um campo de caça real, e atravessou a Porta del Sol no centro da capital Sergio Perez/Reuters Pastores espanhóis lideraram um rebanho de cerca de 2 mil ovelhas pelas ruas de Madri neste domingo (20), na Festa da Transumância, em defesa dos antigos direitos de pastoreio e migração ameaçados pela expansão urbana. Turistas e moradores locais se concentraram nas ruas para observar a passagem dos animais pelos pontos turísticos da capital espanhola. O rebanho foi acompanhado por músicos e dançarinos em trajes tradicionais. Os pastores pararam na prefeitura para entregar às autoridades 50 "maravedíes" - moedas de cobre cunhadas pela primeira vez no século XI - como pagamento pela transumância, que é nome dado ao deslocamento sazonal de rebanhos para locais que oferecem melhores condições. O desfile partiu da Casa de Campo, o maior parque de Madri, que já foi um campo de caça real, e atravessou a Porta del Sol no centro da capital, passando pela sede do Banco da Espanha antes de acabar em frente ao prédio da prefeitura. Desde 1994, os pastores se deslocam com seus rebanhos pela cidade, ao longo de uma rota que já foi feita no inverno do norte, através de áreas rurais não desenvolvidas, para pastagens no sul da Espanha. Rebanho de ovelhas toma conta do centro de Madri Sergio Perez/Reuters

  4. Latam cancelou partidas das 19h deste domingo até as 10h de segunda, com exceção de 3 voos. GOL reforçou que pode haver alterações nos horários, mas não fala em cancelamento. Aeroporto de Santiago registra tumultos com muitos voos cancelados ou adiados Adriane Schultz/G1 Os protestos que se espalharam pelo Chile neste final de semana afetaram os voos com partida e chegada ao aeroporto internacional de Santiago. A Latam anunciou o cancelamento de todos os seus voos com origem no aeroporto de Santiago entre as 19h deste domingo (20) e as 10h de segunda (21), com exceção dos voos LA530, LA704 e LA2364, que se destinam a Nova York, Frankfurt e Lima, respectivamente. Não foi divulgada a lista das partidas canceladas e nem quantas têm como destino o Brasil. Às 23h40, o site da Latam informava que estava cancelado o voo LA755, que partiria às 6h desta segunda com destino a São Paulo. Outros voos para o aeroporto de Guarulhos tinham o status "atrasado". A companhia disse ainda que voos domésticos e internacionais com destino à capital chilena também estão "sujeitos a alteração e/ou cancelamento". Ela recomenda que os passageiros verifiquem o status do voo no site latam.com. E que, em caso de cancelamento, eles não tentem ir ao aeroporto de Santiago. Mais cedo, a GOL reforçou que alguns voos podem sofrer alterações nos horários de embarque e desembarque, mas não falou em cancelamento. Caos no aeroporto De acordo com agências internacionais, centenas de pessoas ficaram retidas e muitas dormiram no chão do Aeroporto Internacional Arturo Merino Benítez, com o cancelamento ou adiamento de voos neste fim de semana. Chile decreta novo toque de recolher; atos deixam 7 mortos Os voos operados pelas maiores companhias aéreas do Chile, a Latam Chile e a Sky Airline, foram suspensos ou atrasados ​​por causa do toque de recolher determinado pelo governo do Chile. Na lista das duas aéreas não há voos para o Brasil. A Latam Chile informou que, devido à situação de ordem pública, está ajustando os itinerários dos voos com origem e destino a Santiago neste domingo e segunda, acrescentando que os passageiros devem verificar a situação dos voos antes de ir para o aeroporto. A companhia aérea oferece ainda a quem tem passagem marcada para os dias 19 e 20 de outubro a possibilidade de alterar o voo gratuitamente por até 15 dias a partir da data do voo original. Veja abaixo a lista de voos cancelados da Latam Chile: Lista de voos cancelados da Latam Chile A Sky Airline também informa que os passageiros que tiverem voos marcados para os dias 19 e 20 de outubro podem remarcá-los gratuitamente. O passageiro pode remarcar o voo sem custo adicional para viajar até 30 dias a partir deste domingo, sujeito à disponibilidade. É possível ainda solicitar reembolso de 100% da passagem. Veja a lista de voos cancelados: Lista de voos cancelados da Sky Airline Reprodução Veja os voos da Sky com novos horários para este domingo: Voos com horários alterados da Sky Reprodução

  5. Iniciativa inclui técnicas simples de armazenamento da água da chuva até a construção de pequenas barragens para evitar a erosão do solo. Proteção da Caatinga melhora a vida de sertanejos No sertão do Nordeste, no entorno do Rio São Francisco, comunidades e pesquisadores trabalham em conjunto para buscar a recuperação de nascente de rios e incentivar o uso de técnicas para aproveitar melhor o uso da água. Tudo isso para alavancar a produção rural na caatinga. Canindé de São Francisco, noroeste de Sergipe e divisa com Alagoas, é um exemplo. O município tem lindas paisagens e uma aparente abundância de água. Porém, no entorno do rio que passa pela cidade é marcado por pouca chuva e pela seca. Veja todos os vídeos do Globo Rural Perto dali, no assentamento Florestan Fernandes, a falta de água é um problema, a chuva raramente vem e, quando chega, não é na época certa para a atividade agrícola. Animais e plantações não resistem e morrem. O biólogo da Universidade Federal do Piauí (UFPI) Valdemar Rodrigues é especialista em desertificação e afirma que parte dessa região corre risco de virar um deserto sem vida. “O que nós temos que fazer é procurar onde existia essa água para que a gente possa recuperar e dar novamente condições de vida no sertão do Nordeste”, explica. Em Sergipe, as águas do Velho Chico cortam a paisagem do sertão Hellen Santos/TV Globo Com esse objetivo, a comunidade partiu em busca da água e conseguiu localizar a nascente de rio. Protegida por uma manilha, que traz a água do subsolo, ela garante 700 litros por dia, o que ajuda a matar a sede do gado. Além dessa, outras 7 nascentes foram encontradas em comunidades do município e na cidade vizinha, Poço Redondo. O resgate da água é uma das soluções de um projeto de uso sustentável do semiárido, coordenado pelo Ministério do Meio Ambiente com recursos de um fundo internacional. O entorno do Rio São Francisco é marcado pela pouca chuva e secas frequentes Hellen Santos/TV Globo A coordenadora Sociedade de Apoio Socioambientalista e Cultural (Sasac), Daniela Bento, é uma das líderes de um projeto de convivência com a seca em pequenas comunidades e explica que tudo começa por uma mudança de hábito. “A caatinga não é ruim com a gente. Ás vezes, nós podemos ser um pouquinho ruim com ela pela nossa ignorância, pelo modo como a gente foi ensinado que era queimando, que era cortando... e a gente agora está descobrindo de que a gente pode conviver harmonicamente também, que ela é nossa parceria”, afirma Daniela. Técnicas simples e eficientes O projeto oferece tecnologias básicas para produzir no semiárido, mas que só desembarcaram por lá em 2018, cerca de 20 anos de espera por uma “cisterna calçadão”, por exemplo. Neste sistema, a água da chuva por um calçadão e é armazenada para abastecer a agricultura familiar. O agricultor João afirma que isso ajuda a garantir uma “segurança hídrica” para a região. “Antes de ter essa cisterna era muito dificultoso de a gente conseguir criar os animais”, lembra. Em assentamentos, em Canindé de São Francisco, pequenos agricultores torcem pela chuva a cada safra Hellen Santos/TV Globo Soluções assim alcançaram 600 famílias, em 20 comunidades, em Sergipe e outros quatro estados do nordeste (Bahia, Piauí, Maranhão e Ceará). “Se você não tem água você não tem como você produzir. Você fica na vulnerabilidade realmente que você tenha o retorno da Fome nessa região”, afirma a coordenadora Sociedade de Apoio Socioambientalista e Cultural (Sasac), Daniela Bento. Evitar a erosão do solo é fundamental No sertão chove muito pouco, e quando chove, muitas vezes são pancadas de chuva. Quando isso acontece, existe um risco. Essa água, quando ela bate no chão, em vez de infiltrar e virar um reservatório paras plantas, ela vai escorrer e levar junto muita terra fértil. O problema é agravado dependendo do jeito que o agricultor planta na lavoura. Quando a linha de plantio está no mesmo sentido da caída da água, é erosão na certa. “No final de uma chuva, você perde de 5 a 10 centímetros de solo, permitindo que a erosão se instale e a capacidade de produção diminua drasticamente na região”, explica Rodrigues. A primeira atitude é mudar o sentido do plantio, fazendo as chamadas curvas de nível, que são linhas que acompanham o relevo. “Hoje a gente já aprendeu mais um pouco. A gente nasceu na roça, só que esse manejo a gente nunca tinha aprendido”, afirma o agricultor José Augusto dos Santos. A mudança foi possível com a ajuda do técnico agropecuário Egídio dos Santos Neto, que atua em uma ONG nas Unidades de Recuperação de Áreas Degradadas (Urad). A erosão também é um problema para os açudes da região, por isso que os projetos que atuam na região buscam diversas formas para evitar o problema. Um exemplo é a “barragem de base zero”, que são pedra amontoadas perto dos açudes que seguram a chegada terra e permitem a água passar. A manutenção das barragens é simples e deverá ser feita anualmente pelos próprios agricultores. 'Mudança de pobre para rico' Uma outra etapa desse projeto de recuperação ambiental, olhou diretamente para o dia-a-dia do sertanejo, dentro da casa dele. Com isso, ideias que parecem simples, podem mudar toda a rotina. Na casa da agricultora Marly de Lima, por exemplo, agora a cozinha tem um fogão ecológico, que usa pouca lenha e joga toda fumaça por uma chaminé. Antes, ela cozinhava no quintal e ficava exposta à fuligem, o que poderia gerar problemas respiratórios no futuro. O projeto de recuperação da caatinga levou mudanças para dentro das casas. Dona Marly foi uma das beneficiadas Hellen Santos/TV Globo O agricultor José Viana vive na região há 10 anos e a casa dele e da esposa, Lica, que faleceu pouco após a gravação da reportagem, passou por mudanças. Além do fogão ecológico, um item comum na cidade, mas que é novidade por lá: um chuveiro. “É uma mudança assim, de pobre para rico (risos). Muita gente que já possui e não dá valor que realmente merece. Agora, a gente que nunca possuiu quando tem é um melhoramento. Outra vida”, comemora José Viana.